Destaque

Pesquisa com zebrafish busca desvendar efeitos de poluentes na saúde humana

Fonte

UFU | Universidade Federal de Uberlândia

Data

sábado, 14 Maio 2022 13:20

Uma cientista da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) está de malas prontas para os Estados Unidos, onde vai pesquisar, a partir de julho, como um composto químico presente no ar poluído pode alterar nossos genes e provocar doenças como o câncer. Para isso, Evelyn Siqueira Caixeta, doutoranda do Programa de Genética e Bioquímica da UFU, vai trabalhar com peixes e receber financiamento do programa Fulbright.

O zebrafish, ou peixe-zebra, que será utilizado na pesquisa, é um peixe ornamental de água doce e mede cerca de cinco centímetros. É originário da Índia e de Bangladesh, mas hoje é encontrado no mundo todo: em aquários decorativos e em laboratórios de pesquisa. O interesse dos cientistas tem a ver com a rapidez na reprodução e no desenvolvimento do zebrafish, mas se deve principalmente à similaridade genética de 70% entre esse animal e o ser humano. “A hipótese é de que qualquer alteração nesse peixe é um indicativo de que pode ocorrer da mesma forma no ser humano”, afirmou Evelyn Caixeta.

Na UFU, a doutoranda atua na área de Ecotoxicologia, um ramo que estuda o efeito de poluentes e químicos sobre o meio ambiente. Ela expõe organismos a contaminantes ambientais e avalia se há alteração na expressão gênica, ou seja, na decodificação da informação dos genes.

Nos Estados Unidos, ela vai expor o zebrafish ao benzopireno – um composto resultante da queima de combustíveis fósseis, presente no ar poluído das cidades, na fumaça do cigarro e até em alimentos queimados, como carne muito tostada – e observar o que acontece com a expressão gênica dos peixes. Evelyn também vai engordar os peixes, para observar a influência da obesidade, uma das principais questões de saúde pública nos Estados Unidos, que atinge 45% da população. No Brasil, a projeção da World Obesity Federation é de que 30% da população adulta deve ter obesidade até 2030.

“Quando você inala um químico, uma fumaça, tem proteínas que vão lá degradar aquilo. O químico é mais lipofílico [molécula solúvel em gordura], então o corpo transforma em hidrofílico [molécula solúvel em água] para poder excretar. Se um organismo está mais propenso, ele não consegue fazer essa degradação, ele pode desenvolver câncer, doença coronária, várias outras coisas”, explicou Evelyn Caixeta.

Orientanda do professor Dr. Boscolli Barbosa Pereira, Evelyn Caixeta é bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Na UFU, ela também cursou graduação em Gestão em Saúde Ambiental, quando foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), e mestrado em Qualidade Ambiental, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Acesse a notícia completa na página do Portal Comunica UFU.

Fonte: Diélen Borges, Portal Comunica UFU.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 ambiental t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account