Notícia

Poluição causada pelo consumo do G20 mata 2 milhões de pessoas por ano

Pesquisadores rastrearam a poluição causada pelo consumo nos países ricos, levantando questões sobre quem é o responsável

Prami.ap90 via Wikimedia Commons

Fonte

Universidade de Sydney

Data

segunda-feira, 8 novembro 2021 06:50

Áreas

Poluição. Qualidade do Ar. Saúde. Sociedade.

A névoa que embaça o céu azul ou um belo horizonte é causada por minúsculas partículas chamadas PM2.5, material particulado com menos de 2,5 mícrons de largura, cerca de 30 vezes menor que a largura de um cabelo humano. Apesar de seu tamanho microscópico, a poluição por PM2.5 global é responsável por mais de 4 milhões de mortes prematuras por ano.

Recentemente, um novo estudo mostrou que metade dessas mortes são causadas pela poluição induzida pelo consumo das 20 maiores economias do mundo.

Seu tamanho muito pequeno é o que torna o particulado PM2.5 tão perigoso. A matéria pode ser produzida na fabricação, na combustão de combustíveis ou na exaustão de veículos. Facilmente inalável, pode se acumular dentro dos pulmões, onde pode aumentar drasticamente o risco de câncer e outras doenças mortais. Embora essa poluição se espalhe pela atmosfera, são os pobres que são especialmente vulneráveis ​​a essas partículas minúsculas, causando muitas mortes precocemente.

“A maioria das mortes ocorre em países em desenvolvimento e, sem coordenação internacional, a situação vai piorar”, disse o Dr. Keisuke Nansai, autor principal do estudo. O Dr. Nansai é o Diretor de Pesquisa do ‘Programa de Pesquisa e Inovação de Fluxo de Material‘ do Instituto Nacional de Estudos Ambientais do Japão e conduziu grande parte do estudo como professor visitante no Centro de Análise de Sustentabilidade Integrada (ISA) na Escola de Física da Universidade de Sydney, na Austrália. A pesquisa foi publicada na revista científica Nature Communications.

Embora a maioria dos países reconheça que contribui para os níveis de PM2.5, há pouco acordo sobre quanto e, portanto, quem é financeiramente responsável. Embora a medição direta da produção de PM2.5 de fábricas e carros seja razoavelmente direta, é muito mais difícil determinar quanto dessa poluição é causada pelo consumo.

Esta é uma questão vital a ser respondida, disse o Dr. Nansai, que enfrentou o problema enquanto trabalhava com o professor Dr. Manfred Lenzen na Universidade de Sydney.

Ao contrário da produção direta, que primeiro afeta a nação produtora e depois se espalha através das fronteiras, a poluição por PM2.5 causada pelo consumo pode se originar em nações distantes e ter efeitos menores sobre a nação consumidora.

O Dr. Nansai disse: “A poluição na forma de emissões de produção cria um motivo para implementar medidas conjuntas de redução de PM2.5 nos países vizinhos. Essa cooperação é improvável entre países que são geograficamente distantes”.

Os membros do G20 representam mais de três quartos do comércio internacional e da produção econômica mundial. Portanto, o Dr. Nansai e seus colegas raciocinaram que uma compreensão do impacto que o consumo nessas nações tem sobre os níveis de PM2,5 forneceria uma referência confiável.

Usando um banco de dados desenvolvido no Centro de Análise Integrada de Sustentabilidade da Universidade de Sydney para medir as cadeias de suprimentos globais em todo o mundo, o estudo mapeou as emissões causadas apenas pelo consumo.

O estudo mostrou que o consumo nas maiores economias do mundo, como EUA e Reino Unido, causa um número significativo de mortes prematuras em países distantes, como China e Índia, enquanto as mortes prematuras causadas pela produção são mais comuns nas nações vizinhas.

O professor Lenzen disse: “Esta pesquisa mostra que comprar produtos às vezes significa colocar vidas em risco. Embora saibamos que nossa pegada de carbono prejudica o sustento de nossos netos, esta pesquisa mostra como nosso consumo prejudica a saúde de outras pessoas de uma forma muito mais imediata e direta”.

A COVID-19 é uma doença respiratória mais letal para os idosos. Da mesma forma, as vítimas prematuras de PM2.5 também são, em sua maioria, idosos. No entanto, ao contrário da COVID-19, o estudo encontrou outro grupo suscetível ao PM2,5 produzido pelo consumo. “Descobrimos que o consumo das nações do G20 foi responsável por 78.000 mortes prematuras de bebês e crianças [até 5 anos] em todo o mundo”, disse o Dr. Nansai. Esse impacto foi sentido com mais força nas nações mais pobres.

O Dr. Nansai e seus colegas enfatizam que, se o consumo não for considerado, a maioria dos países não pensará que deveria pagar qualquer penalidade por essas mortes.

“Enquanto a responsabilidade pelas mortes infantis devido às emissões de produção for a única questão perseguida, não podemos encontrar nenhuma justificativa para que as nações enfrentem a morte em massa de bebês [em nações distantes]”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Sydney (em inglês).

Fonte: Universidade de Sydney. Imagem: Poluição em Delhi, na Índia (2019). Fonte: Prami.ap90 via Wikimedia Commons.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Ambiental | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account