Notícia

Como o clima e as mudanças climáticas podem ameaçar a saúde?

Diretora do Centro para Inovação em Saúde Global da Universidade Stanford explica como a comunidade médica está no centro do debate sobre as mudanças climáticas

Nantenaina Andrianjaka via Pexels

Fonte

Universidade Stanford

Data

sexta-feira, 19 novembro 2021 11:30

Áreas

Clima. Desigualdade Socioambiental. Governança Ambiental. Mudanças Climáticas. Saneamento. Saúde.

Na recente cúpula do clima das Nações Unidas em Glasgow, no Reino Unido, muitos diplomatas e chefes de estado afirmaram que ameaças iminentes à saúde humana criam um imperativo para enfrentar a mudança climática. Esta é uma abordagem apreciada pela Dra. Michele Barry, diretora do Centro para Inovação em Saúde Global da Escola de Medicina da Universidade Stanford, nos Estados Unidos. Como médica em populações carentes em todo o mundo, ela viu em primeira mão o impacto humano do aquecimento global e da degradação ambiental. Ela também ajudou a liderar o esforço para abordar a mudança climática como “a crise de saúde global definitiva”, inclusive servindo como consultora em duas equipes de transição presidencial.

Jamie Hansen, especialista em Comunicação do Centro para Inovação em Saúde Global de Stanford, entrevistou a Dra. Michele Barry sobre como os riscos estão mais altos do que nunca e como a comunidade médica pode responder.

Jamie Hansen: Você construiu sua carreira como médica de doenças tropicais. O que encontrou em seu trabalho que a levou a se concentrar na saúde do Planeta?

Dra. Michele Barry: No meu caminho para as clínicas em Madagascar, passei por incêndios florestais que causam problemas respiratórios e poluem a água e o solo. Eu vi a pesca comercial destruída pela erosão do solo causada pelo desmatamento no Haiti. Com meus colegas de Biologia e do Programa Interdisciplinar Emmett em Meio Ambiente e Recursos, mostramos como o desmatamento no Quênia cria habitats para roedores, que carregam muito mais patógenos de doenças humanas do que animais de grande porte. O meio ambiente impacta a saúde – mais frequentemente nas comunidades com menos recursos.

Como médica de doenças tropicais, vi como os vetores estão mudando de localização. Doenças transmitidas por mosquitos estão aparecendo onde nunca foram vistas devido à seca, enchentes e calor: vimos dengue não endêmica e Zika nos Estados Unidos, por exemplo, e malária em novas áreas onde a seca criou o mosquito em [pequenas áreas] de águas estagnadas. Vimos as sequelas do clima extremo em todo o mundo.

Tornou-se óbvio que o clima e a saúde do planeta precisavam ser uma prioridade da saúde global – que não podemos ter saúde global a menos que tenhamos um planeta saudável.

Jamie Hansen: Quais são as vantagens de ter foco na mudança climática através das lentes da saúde humana?

Dra. Michele Barry: O impacto do clima na saúde nos permite enfrentar vários problemas, seja a poluição causando mortes prematuras por doenças cardiovasculares; morar perto de estradas poluídas, o que algumas das evidências mais recentes sugerem que contribui para a demência; ou, mais localmente, incêndios florestais causando doenças respiratórias e potencialmente contribuindo para o câncer. Quando você traz a saúde para a equação, de repente, as pessoas podem se concentrar no impacto – o impacto muito real – em suas vidas.

Jamie Hansen: Que papel Stanford pode desempenhar no tratamento desta crise de saúde?

Dra. Michele Barry: Muitos esforços estão em andamento em Stanford, incluindo planos para uma nova escola de Clima e Sustentabilidade – a primeira nova escola em 70 anos. Em estreita colaboração com o Woods Institute for the Environment e o Program for Disease Ecology, Health and the Environment, reunimos um grupo de professores e partes interessadas em Stanford para conduzir pesquisas, treinar nossos alunos e desenvolver soluções.

A dinâmica e a experiência aqui são incríveis. Estamos agora no processo de definição de nossa visão e estratégia e estamos realizando uma série de workshops sobre o avanço da saúde, clima e meio ambiente em Stanford.

No Centro de Inovação em Saúde Global, estamos lançando as bases para isso, tendo feito da saúde humana e planetária uma de nossas áreas de foco desde 2017. Nosso objetivo é converter descobertas acadêmicas em impacto no mundo real por meio de nosso Laboratório de Ação para a Saúde de Humanos e do Planeta, que usa pesquisas conduzidas em Stanford para desenvolver documentos  para influenciadores de políticas.

Jamie Hansen: Qual é o papel do setor de saúde na contribuição para as mudanças climáticas – e como deve responder?

Dra. Michele Barry: Mundialmente, o setor de saúde é responsável por 4,4% das emissões globais, mais do que países inteiros como Brasil e Japão. Nos EUA, nosso sistema de saúde é responsável por quase 10% das emissões nacionais. Precisamos tornar nossos hospitais mais verdes e descarbonizar os cuidados de saúde.

Ainda mais importante, precisamos ajudar as comunidades a resistir às ameaças à saúde das mudanças climáticas e do clima extremo. Precisamos melhorar o aquecimento, o resfriamento e a ventilação nas escolas e centros comunitários para que as pessoas tenham locais públicos para resistir ao calor extremo e incêndios florestais. Isso exigirá um enorme investimento público, mas é preciso nos prepararmos para esses desafios.

Devemos também compreender e responder aos impactos emocionais das mudanças climáticas. Os jovens estão muito ansiosos – um problema que nossa colega de pós-doutorado em saúde planetária, Dra. Britt Wray, mostrou ser generalizado. Ouço isso de meus próprios filhos e me preocupo com meus netos – o impacto que eventos climáticos extremos, mudanças climáticas e perda de biodiversidade terão sobre eles.

Jamie Hansen: Há muito tempo que a igualdade na saúde é uma prioridade para você. Como podemos melhor incorporar a equidade na saúde em nossa resposta às mudanças climáticas?

Dra. Michele Barry: Quando falamos sobre clima e saúde, também temos que falar sobre justiça ambiental. Não posso deixar de notar que grande parte do impacto do clima na saúde ocorre em algumas das áreas mais pobres, enquanto algumas grandes empresas em países mais ricos são as que mais contribuem para o problema. Precisamos abordar essas desigualdades. O novo Escritório de Equidade Climática e Saúde do governo Biden, no qual tive o privilégio de trabalhar, é um começo promissor, mas precisamos de muito mais em escala global.

Um relatório recente revelou que as cinco maiores empresas poluidoras do mundo contribuíram com 60% das emissões globais em 2019. A China sozinha gerou a mesma quantidade de emissões de carbono que os próximos quatro países juntos, enquanto seus próprios agricultores estão testemunhando a pior enchente em 40 anos dizimam seus cultivos. Nos Estados Unidos, nossos trabalhadores agrícolas migrantes e a população nativa americana pagam alguns dos custos mais altos da mudança climática, enquanto as empresas de petróleo dos EUA continuam tendo lucros recordes.

Precisamos ouvir as pessoas nas áreas mais afetadas pelo aquecimento global e degradação ambiental. Eu experimentei o poder dessa abordagem pela primeira vez quando um aluno meu, Kinari Webb, entendeu o que poderia ser necessário para ajudar uma comunidade de Madagascar a acabar com as práticas de extração de madeira que estavam destruindo o ecossistema local. Por meio de 400 horas de discussões com membros da comunidade, ela soube que eles foram forçados a derrubar e vender árvores para pagar por cuidados médicos. Para mudar essa dinâmica, a organização que ela fundou treinou residentes em agricultura sustentável e ofereceu descontos nos serviços de saúde em troca da não extração de madeira.

Ao longo dos anos, eles conseguiram reduzir a exploração madeireira em 72% e, ao mesmo tempo, diminuir os incidentes de diarreia, tuberculose e malária. Quando abordamos o custo e a disponibilidade dos cuidados de saúde, foi uma troca ganha-ganha para saúde e conservação. Essa abordagem pode ser usada em comunidades em todo o mundo para ajudar a atender às suas necessidades de adaptação às mudanças climáticas.

Acesse a notícia completa na página da Escola de Medicina da Universidade Stanford (em inglês).

Fonte:  Jamie Hansen, Escola de Medicina da Universidade Stanford. Imagem: Nantenaina Andrianjaka via Pexels.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Ambiental | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account