Notícia

Projeto na Finlândia pretende desenvolver materiais de captura de carbono a partir de resíduos de mineração

Esforços de pesquisa pretendem que resíduos de mineração e dióxido de carbono possam ser transformados de problemas em soluções

Divulgação, Universidade de Oulu

Fonte

Universidade de Oulu

Data

sexta-feira, 22 abril 2022 10:45

Áreas

Construção Civil. Engenharia Ambiental. Engenharia Civil. Gestão de Resíduos. Negócios. Sustentabilidade. Tecnologias.

O Projeto PILCCU (PILoting Carbon Capture and Utilization) a ser iniciado em breve na Finlândia, fará com que a Universidade de Oulu faça parte dos esforços para um mundo onde os resíduos locais e o dióxido de carbono possam ser transformados de problemas em soluções. O projeto visa alcançar uma produção piloto em escala real de materiais de captura de carbono para aplicações industriais.

A indústria de mineração produz anualmente grandes quantidades de resíduos de mineração, como rejeitos de minas, a maioria dos quais tradicionalmente acaba em aterros sanitários. Recentemente, os operadores do setor na Finlândia e no exterior estão procurando maneiras diferentes de utilizar esses resíduos de mineração. Um deles é o projeto PILCCU, financiado pela Business Finland, que visa utilizar resíduos de mineração em materiais de construção para captura de carbono.

Enquanto outros parceiros do projeto se concentram em melhorar os processos usados ​​de diferentes maneiras, a parte da Universidade de Oulu é desenvolver materiais de captura de carbono para serem usados ​​em materiais de construção. O primeiro candidato para materiais de captura de carbono são os materiais do tipo gesso cartonado, onde o gesso virgem atualmente usado poderá ser substituído por um mineral que possui uma molécula de dióxido de carbono ligada na rede cristalina. Assim, o dióxido de carbono é ligado de volta ao mineral de acordo com o ciclo natural. A maior parte do dióxido de carbono da Terra está permanentemente ligado a minerais, dos quais é liberado apenas em temperaturas muito altas. Por exemplo, os três constituintes do calcário são cálcio, oxigênio e carbono, dos quais o carbono só é liberado como dióxido de carbono a uma temperatura de cerca de 700oC, inclusive na fabricação de cimento e cal.

Tornando o armazenamento de carbono uma realidade por meio das ‘forças do mercado’

Na primeira fase do projeto, em 2024, o piloto será realizado na planta piloto da Escola de Mineração da Universidade de Oulu, que é a única do país a oferecer tais oportunidades. O resultado bem-sucedido do projeto PILCCU abriria possibilidades para a adoção em larga escala de edifícios com pegada de carbono líquida negativa. O carbono armazenado dentro dos edifícios seria armazenado lá por centenas de anos ou até permanentemente.

“Se esse tipo de material de construção se tornasse mais barato do que as alternativas, a captura e armazenamento de carbono em larga escala se tornaria realidade apenas pelas forças do mercado”, disse o Dr. Päivö Kinnunen, professor da Universidade de Oulu. Este seria um cenário de ganho real, transformando resíduos locais, neste caso, resíduos de minas e dióxido de carbono em materiais de construção para construir um futuro mais sustentável.

O projeto PILCCU faz parte do ecossistema ‘Veturi’ da empresa Neste e é liderado pela Universidade Åbo Akademi. O projeto consiste em um consórcio de empresas finlandesas e instituições de pesquisa. A Neste está desenvolvendo soluções sustentáveis ​​e escaláveis ​​globalmente para combustíveis e produtos químicos no ecossistema ‘Veturi’ e, como parte desses esforços, os parceiros também estão investigando possibilidades de captura e utilização de carbono.

“Este projeto está fortemente ligado aos nossos esforços para reduzir as emissões de CO2 em nossa refinaria de Porvoo, a fim de torná-la a refinaria mais sustentável da Europa até 2030. Para a Neste, é muito importante estudar diferentes alternativas com nossos parceiros e também garantir o crescimento da experiência na Finlândia”, disse Outi Ervasti, vice-presidente de hidrogênio renovável da Neste.

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Oulu (em inglês).

Fonte: Universidade de Oulu. Imagem: Divulgação, Universidade de Oulu.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 ambiental t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account