Notícia

Aquecimento do clima e agricultura intensiva reduzem pela metade as populações de insetos em algumas áreas

Mudanças climáticas e o uso agrícola intensivo da terra já foram responsáveis por uma redução de 49% no número de insetos nas partes mais impactadas do mundo, segundo novo estudo de pesquisadores da ‘University College London’

Dr. Tim Newbold

Fonte

UCL | University College London

Data

sábado, 23 abril 2022 11:05

Áreas

Agricultura. Biodiversidade. Conservação. Desmatamento. Ecologia. Engenharia Florestal. Geografia. Monitoramento Ambiental. Mudanças Climáticas. Recursos Naturais. Sustentabilidade.

Novo estudo publicado na revista científica Nature é o primeiro a identificar que uma interação entre o aumento das temperaturas e as mudanças no uso da terra está causando perdas generalizadas em vários grupos de insetos em todo o mundo.

A Dra. Charlie Outhwaite, autora principal do estudo e pesquisadora de pós-doutorado do Centro para Biodiversidade e Pesquisa Ambiental da University College London, no Reino Unido, disse: “Muitos insetos parecem ser muito vulneráveis ​​às pressões humanas, o que é preocupante à medida que as mudanças climáticas pioram e as áreas agrícolas continuam a se expandir. Nossas descobertas destacam a urgência de ações para preservar os habitats naturais, retardar a expansão da agricultura de alta intensidade e reduzir as emissões para mitigar as mudanças climáticas. A perda de populações de insetos pode ser prejudicial não apenas ao ambiente natural, onde os insetos geralmente desempenham papéis importantes nos ecossistemas locais, mas também pode prejudicar a saúde humana e a segurança alimentar, principalmente com a perda de polinizadores”.

“Nossas descobertas podem representar apenas a ponta do iceberg, pois há evidências limitadas em algumas áreas, particularmente nos trópicos, onde encontramos reduções bastante altas na biodiversidade de insetos nas áreas mais impactadas”, continuou o pesquisador.

Os pesquisadores analisaram um grande conjunto de dados de abundância de insetos e riqueza de espécies de áreas em todo o mundo, incluindo três quartos de milhão de registros de quase 20.000 espécies de insetos.

A equipe comparou a biodiversidade de insetos em diferentes áreas, dependendo da intensidade da agricultura na área, bem como do aquecimento histórico da área local. Eles descobriram que em áreas com agricultura de alta intensidade e aquecimento climático substancial, o número de insetos foi 49% menor do que na maioria dos habitats naturais sem aquecimento climático registrado, enquanto o número de espécies diferentes foi 29% menor. As áreas tropicais viram os maiores declínios na biodiversidade de insetos ligados ao uso da terra e às mudanças climáticas.

Os pesquisadores descobriram que em áreas de agricultura de baixa intensidade e aquecimento climático substancial, ter habitat natural próximo amorteceu as perdas: onde 75% da terra era coberta por habitat natural, a abundância de insetos diminuiu apenas 7%, em comparação com uma redução de 63% em áreas comparáveis ​​com apenas 25% de cobertura de habitat natural. Muitos insetos dependem de plantas para sombra em dias quentes, então a perda de habitats naturais pode deixá-los mais vulneráveis ​​a um clima mais quente.

Os pesquisadores dizem que o declínio de insetos devido à influência humana pode ser ainda maior do que suas descobertas sugerem, já que muitas áreas com longas histórias de impactos humanos já teriam sofrido perdas de biodiversidade antes do início do período de estudo, e o estudo também não levou em conta a efeitos de outros fatores, como a poluição.

“Os danos ambientais da agricultura de alta intensidade apresentam um desafio complicado à medida que tentamos acompanhar as demandas alimentares de uma população crescente. Descobrimos anteriormente que os polinizadores de insetos são particularmente vulneráveis à expansão agrícola, pois parecem ser mais de 70% menos abundantes em terras agrícolas de alta intensidade em comparação com locais selvagens. O gerenciamento cuidadoso de áreas agrícolas, como preservação de habitats naturais próximos às terras agrícolas, pode ajudar a garantir que insetos vitais ainda possam prosperar”, destacou o Dr. Tim Newbold, autor sênior do estudo e também pesquisador Centro para Biodiversidade e Pesquisa Ambiental da University College London.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da University College London (em inglês).

Fonte: Chris Lane, University College London. Imagem: Dr. Tim Newbold.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 ambiental t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account