Notícia

Pesquisadoras identificam as 12 principais maneiras que ajudam cidades europeias a reduzir o uso dos carros

Maioria das histórias de sucesso envolve tanto incentivos para a mobilidade sustentável quanto meios restritivos ou desencorajadores para a circulação de carros

Alexander Grishin via Pixabay

Fonte

Universidade Lund e Portal The Conversation

Data

quarta-feira, 27 abril 2022 15:25

Áreas

Cidades. Mobilidade. Mobilidade Urbana. Políticas Públicas. Sociedade.

“O transporte é uma importante fonte de poluição climática na Europa, e essas emissões não estão realmente diminuindo. As políticas atuais subsidiam fortemente o uso e estacionamento de carros particulares, ocultando os verdadeiros custos de dirigir para a sociedade. A recém-lançada Missão da União Europeia visa ter 100 cidades neutras em termos de clima na Europa até 2030. Isso será quase impossível de alcançar sem reduzir o tráfego de automóveis. Para progredir, precisamos conhecer as formas mais eficazes de libertar as cidades do domínio excessivo dos carros”, disse a Dra. Kimberly Nicholas, pesquisadora da Universidade Lund, na Suécia.

O estudo, publicado recentemente na revista científica Case Studies on Transport Policy, quantifica a eficácia de 12 medidas reduzem o uso do carro, com base na experiência do mundo real em cidades da Europa. A Dra. Kimberly Nicholas e Paula Kuss examinaram cerca de 800 estudos revisados ​​por pares e estudos de caso para descobrir essas medidas.

“Não encontramos uma ‘bala de prata’ – as cidades que foram bem-sucedidas combinaram diferentes instrumentos de política, especialmente cobrança ou restrição de direção e estacionamento, combinados com investimento em infraestrutura de transporte público e ativo, como ciclovias”, disse a Dra. Kimberly Nicholas.

Medidas especialmente eficazes incluíram uma taxa de congestionamento, que cidades como Londres, Milão, Estocolmo e Gotemburgo usaram para reduzir o tráfego em todo o centro da cidade em 12% a 33%. Em Oslo, a substituição de vagas de estacionamento por por ruas e ciclovias livres de carros e a restrição de Roma aos carros que entram no centro da cidade, com multas de violação usadas para financiar o transporte público, reduziram o tráfego de carros em cerca de 10% a 20%. As medidas são descritas com mais detalhes em artigo publicado no Portal The Conversation.

Cerca de 75% das iniciativas foram lideradas por governos municipais locais, muitas vezes em colaboração com empresas locais ou fornecedores locais de transporte público e sociedade civil.

Colaborações entre cidades, empregadores e universidades também podem desempenhar um papel importante na redução do tráfego. Utrecht reduziu a proporção de passageiros que viajam de carro em 37% ao fornecer serviços de mobilidade, incluindo transporte público gratuito para funcionários. Bristol, no Reino Unido, e Catania, na Itália, reduziram os deslocamentos de carro para a universidade em 24% a27%, com planejamento de viagens para os funcionários usarem compartilhamento de carro, caminhada, ciclismo ou transporte público; ou serviços de mobilidade para fornecer transporte público gratuito para estudantes, respectivamente.

“Nossos resultados mostram que já existem cidades europeias conseguindo reduzir o uso do carro e melhorar a qualidade de vida e a mobilidade sustentável dos moradores. Com esta análise, esperamos que outras cidades possam aprender e implementar ações de sucesso”, concluiu a Dra. Kimberly Nicholas.

As 12 melhores maneiras de reduzir o uso do carro na cidade (identificadas pelas pesquisadoras), com a respectiva eficácia em relação ao seu público-alvo, foram:

  1.  Taxas de congestionamento (12% a 33%)
  2. Estacionamento e controles de tráfego (11% a 19%)
  3. Zonas de tráfego limitado (10% a 20%)
  4. Melhorias nos serviços de mobilidade para passageiros (37%)
  5. Taxas de estacionamento no local de trabalho (8% a 25%)
  6. Planejamento de deslocamentos para o local de trabalho (3% a 18%)
  7. Planejamento de deslocamentos para universidades (7 a 27%)
  8. Melhorias nos serviços de mobilidade para universidades (24%)
  9. Compartilhamento de carros (12% a 15%)
  10. Planejamento de deslocamentos escolares (5% a 11%)
  11. Planos de deslocamentos personalizados (6% a 12%)
  12. Aplicativos para mobilidade sustentável (73%)

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa no Portal The Conversation.

Acesse a notícia na página da Universidade Lund.

Fonte: Dra. Kimberly Nicholas, Universidade Lund e Portal The Conversation. Imagem: Alexander Grishin via Pixabay.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 ambiental t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account