Notícia

Microplásticos nos rios

Nas áreas de tecnologia de águas residuais e gestão de águas residuais, equipes de pesquisa estão investigando até que ponto a indústria está envolvida na poluição por microplásticos

Katrin Binner, TU Darmstadt

Fonte

Universidade Técnica de Darmstadt

Data

terça-feira, 25 setembro 2018 15:30

Áreas

Águas Residuais. Poluição.

Plásticos tornaram-se parte integrante de nossas vidas cotidianas, além de provocar muitos impactos no meio ambiente. A poluição por microplásticos está cada vez mais em foco. Primeiro, essas pequenas partículas foram descobertas nos oceanos, em seguida foram encontradas em lagos e rios e, eventualmente, no solo. “Partículas de plástico estão em toda parte”, diz Luisa Barkmann,  estudante de doutorado na área de de tecnologia de águas residuais da Universidade Técnica de Darmstadt (TU Darmstadt), na Alemanha. Em sua dissertação de mestrado, ela estudou a presença de microplásticos em estações municipais de tratamento de esgoto. Agora, em seu doutorado, ela se dedica a águas residuais da indústria. Ela examina de perto, principalmente, as empresas de produção e processamento de plásticos: em quais estágios da cadeia de valor e por quais canais as partículas de plástico entram no ambiente? E qual é a parcela da indústria na carga global?

Como parte do projeto conjunto EmiStop, lançado no início do ano, as equipes de pesquisa com sede em Darmstadt estão analisando as águas residuais industriais para calcular sua participação na contaminação por microplásticos. Não é uma tarefa fácil, pois mesmo a amostragem é um desafio, diz Luisa Barkmann. Para cada empresa, ela teve que pensar em uma estratégia individual, já que as empresas são diferentes não apenas em seus processos de produção, mas também em seus sistemas de canais e gerenciamento de água. Muitos nem sabem quanta água residual é gerada em uma determinada área. E não só na produção, mas particularmente também no processamento posterior e transferência de microplásticos para o meio ambiente.

Muitas empresas químicas estão localizadas às margens de rios

Os cientistas de Darmstadt colheram recentemente as primeiras amostras de uma empresa produtora de granulados plásticos. Como muitas das grandes empresas químicas, por razões logísticas ela está localizada às margens de um rio. Esses locais podem contribuir para a poluição por microplásticos na água, por exemplo, se a água da superfície entrar no rio sem tratamento, explica o supervisor de Luisa Barkmann, o professor Dr. Markus Engelhart. Assim, no pior dos casos, as partículas de plástico que caem no solo durante a transferência para veículos de transporte, por exemplo, acaba diretamente nas águas circundantes. A equipe do projeto EmiStop também examinará essas rotas de entrada.

Recomendações concretas para ações só podem ser feitas se a carga for analiticamente determinada, enfatiza a professora Dra. Susanne Lackner, chefe do Departamento de Gerenciamento de Águas Residuais e parceira do projeto EmiStop. A detecção de microplástico em amostras de água tem sido um ponto fraco, e os dados são fracos. Durante vários anos, foi aplicado um método espectroscópico complexo, a microespectroscopia Raman. Esta técnica também é utilizada pelo Instituto de Engenharia Ambiental e de Processos da Universidade RheinMain de Ciências Aplicadas em Rüsselsheim, na Alemanha, que também participa do projeto EmiStop.

Refinamento do método

Hajo Bitter, um estudante de doutorado no grupo da Dra. Lackner, está aperfeiçoando um método chamado calorimetria diferencial de varredura. Este método está bem estabelecido na garantia de qualidade dos plásticos puros, mas deve ser adaptado às amostras de águas residuais mais complexas. Primeiro, os pesquisadores peneiram partículas maiores que cinco milímetros – que não são microplásticos – e são destruídas pelo tratamento químico com oxidantes que não atacam os plásticos. Finalmente, os componentes minerais, como areia, são separados através de uma técnica de suspensão especial.

As partículas de plástico assim isoladas são aquecidas em um pequeno cadinho com uma taxa de aquecimento de até 300 graus Celsius. O dispositivo registra os fluxos de calor em função da temperatura, com um cadinho vazio servindo como referência. Os picos no diagrama, que ocorrem nos pontos de fusão dos plásticos contidos, fornecem informações sobre os tipos de plástico, bem como suas concentrações. Até agora, os cientistas mediram seis plásticos comuns dessa maneira. No entanto, eles só usam o método para capturar partículas de plástico maiores que dez mícrons. Além disso, o procedimento pode leva até duas semanas.

Acesse a notícia completa na página da TU Darmstadt (em inglês).

Fonte: Comunicação e Mídias, Universidade Técnica de Darmstadt. Imagem: Katrin Binner, TU Darmstadt.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

Entre em Contato

Enviando

2019 Canal Ambiental | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account