Notícia

Satélites podem viabilizar o monitoramento das emissões de CO2

Pesquisadores desenvolveram um modelo que pode calcular as emissões de dióxido de carbono de cada país a partir da queima de combustível fóssil, usando observações do espaço

NASA via Unsplash

Fonte

Universidade Lund

Data

segunda-feira, 10 janeiro 2022 11:00

Áreas

Monitoramento Ambiental. Mudanças Climáticas.

Na cúpula do clima COP26, as nações participantes concordaram em um novo documento que pela primeira vez menciona a eliminação progressiva do carvão e dos combustíveis fósseis e reitera a meta de 1,5 oC do Acordo de Paris. Para atingir esse objetivo, é necessária uma redução drástica nas emissões.

Hoje, os estados individuais relatam suas próprias emissões de dióxido de carbono com base em dados de atividades, como o uso de energia. A precisão dessas estimativas varia muito, dependendo da qualidade dos dados da atividade, bem como dos processos que foram levados em consideração. Essas informações também não são homogêneas em todo o mundo e ficam disponíveis com algum atraso.

No futuro, existem planos para estabelecer um sistema global baseado em medições de satélites independentes. Em um novo estudo publicado na revista científica Environmental Research Letters, pesquisadores da Universidade Lund, na Suécia, e colegas colaboradores, investigaram o potencial das medições baseadas em satélite.

“Pelo que sabemos, este é o primeiro estudo que mostra que é possível verificar dados de emissões em escala nacional com monitoramento global por satélite”, disse o Dr. Marko Scholze, pesquisador de Geografia Física da Universidade Lund.

O monitoramento por satélite das emissões de dióxido de carbono ganhará impulso à medida que a União Europeia, dentro de seus programas de observação da Terra Copernicus, lançar vários novos satélites a partir de 2025. No novo estudo, os pesquisadores examinaram como essas medições deveriam ser feitas e usadas para obter dados de emissões de dióxido de carbono tão confiáveis ​​quanto possível.

“Desenvolvemos um modelo que pode ser usado para estimar as emissões antrópicas. O modelo é muito abrangente e leva em consideração todas as incertezas conhecidas nas medições de satélite”, disse o professor Marko Scholze.

Os resultados significam que a verificação independente das emissões de dióxido de carbono de cada país é uma opção realista. Com o estudo de dados atmosféricos de medições de satélite, será possível examinar e avaliar a eficácia das medidas de redução de dióxido de carbono adotadas pelos signatários do Acordo de Paris.

“A principal causa do aquecimento global são as emissões antropogênicas de dióxido de carbono na atmosfera. É de extrema importância monitorá-las e esperamos que nosso estudo seja uma peça do quebra-cabeça que nos ajude a fazer isso ”, concluiu o Dr. Marko Scholze.

Acesse o artigo científico completo (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade Lund (em inglês).

Fonte: Universidade Lund.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2022 ambiental t4h | Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account