Notícia

MCTIC amplia investimentos para aumentar eficiência da indústria de mineração nacional

Parcerias com a Finep e o BNDES reforçam apoio à máxima utilização dos recursos extraídos na exploração mineral, especialmente terras-raras

Pixabay

Fonte

MCTIC |  Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Data

segunda-feira, 25 junho 2018 14:00

Áreas

Gestão Ambiental, Gestão de Resíduos, Recursos Naturais, Sustentabilidade

Um dos desafios da indústria da mineração é o aproveitamento dos resíduos, o que significa aumento da produtividade e redução dos riscos de desastres ambientais. Diante disso, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em parceria com a Empresa Brasileira de Inovação e Pesquisa (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), direcionou investimentos da ordem de R$ 288 milhões, desde 2011, para projetos que trabalham com a valorização dos chamados “coprodutos” do setor de mineração.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Maximiliano Martinhão, o aproveitamento desses materiais é fundamental para garantir a eficiência dos processos produtivos.

“A mineração é uma das atividades essenciais da economia, já que alimenta toda a indústria. No entanto, é um ramo que gera grande volume de resíduos, que é uma fonte de novos negócios e oportunidades. Os recursos minerais são patrimônio da União, e temos a obrigação de garantir o uso mais eficiente possível desses bens tão importantes”, destacou.

Grande parte dos projetos apoiados tem como foco terras-raras, um grupo de 17 elementos químicos que ocorrem nos mesmos minérios e apresentam propriedades físico-químicas semelhantes, que os tornam insumos insubstituíveis na produção de equipamentos com tecnologia de ponta. Entre esses elementos químicos estão o lantânio, o cério, o neodímio, o disprósio, o európio, o escândio e o ítrio.

“Os ímãs feito a partir da combinação desses minerais estratégicos com outros elementos têm uma eficiência extraordinária em um tamanho muito pequeno, e é isso que possibilita que tenhamos aparelhos eletrônicos cada vez menores”, explicou Martinhão.

Os projetos buscam organizar e promover integralmente a cadeia produtiva de terras-raras no Brasil. Eles são apoiadas pelo MCTIC e desenvolvidos por universidades, institutos tecnológicos e fundações de ensino e pesquisa, em parceria com empresas do setor.

Aplicações

Embora utilizadas em pequenas quantidades, as terras-raras estão presentes na fabricação de grande parte dos insumos tecnológicos considerados essenciais atualmente. As aplicações vão desde a fabricação de smartphones e tablets, até a indústria petroquímica.

“Sem esses minerais, ficaria impossível fracionar o petróleo para chegarmos à gasolina, ao diesel, ao gás de cozinha e outros produtos tão importantes”, exemplificou o analista de ciência e tecnologia Elzivir Guerra.

Acesse a notícia completa no site do MCTIC.

Fonte: ASCOM, MCTIC. Imagem: Pixabay.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Ambiental e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Ambiental, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Canal Ambiental | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Meio Ambiente, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account